Página inicial / Aracaju / Cânion do Xingó – navegando pelo Rio São Francisco

Cânion do Xingó – navegando pelo Rio São Francisco

Cânions do Xingó

Na nossa semana em Aracaju, o segundo passeio que fizemos foi ao Cânion do Xingó, o quinto maior cânion navegável do mundo. A entrada do cânion fica no município sergipano de Canindé de São Francisco, a 213 km de Aracaju, divisa com Alagoas. Quando estávamos planejando nossa viagem para Aracaju, decidimos que este seria o passeio prioritário, mesmo sabendo que seria cansativo fazer um bate-volta, e não nos decepcionamos.


Leia também:

A orla da praia de Atalaia, em Aracaju

Visita ao Oceanário de Aracaju (Projeto Tamar)

Bate-volta para Mangue Seco partindo de Aracaju

Passeio pela Foz do Rio São Francisco


Cânions do Xingó

A van da empresa que contratamos nos pegou bem cedinho no hotel. A viagem é um pouco (bastante) cansativa: são cerca de três horas para ir, mais três para voltar. Na ida, vimos um documentário sobre o Cânion, que surgiu com o represamento do Rio São Francisco para a construção da Usina Hidrelétrica de Xingó. Antes era uma área seca, mas com a represa o leito do rio subiu cerca de cem metros.

Lá em Canindé só há um jeito de se chegar ao Cânion: o restaurante Karrancas. Dali saem os catamarãs. Apesar do grande número de turistas, é tudo bem organizado. O guia chega e se apresenta ao pessoal do restaurante. Na hora da saída, somos chamados pelo nome do guia (“turma do guia fulano de tal”). Sem bagunça, sem correria.

Cânions do Xingó

Cânions do Xingó

Vista do restaurante

O catamarã é bem equipado. Tem banheiro, ducha, lanchonete. Ao todo o passeio pelo rio dura três horas: uma hora para ir, uma hora de parada para banho e uma hora para voltar. A viagem foi tranquila e bem gostosa, apesar da música altíssima e do guia metido a humorista (mas daqueles sem graça).

Cânions do Xingó

Cerca de meia hora depois de deixarmos o restaurante, começam a aparecer os primeiros sinais de paredões. Paisagem magnífica, indescritível. O guia vai nomeando as pedras – Gavião, Macaco, Japonês.

Cânions do XingóCânions do Xingó

E então, daí a pouco, chega-se ao ponto máximo da viagem. O Paraíso do Talhado. O forró arretado é substituído pela música tema de “1492 – A conquista do paraíso” (o cd com a trilha sonora é vendido a R$ 5,00). O guia começa a enaltecer o lugar. Mas nem precisa. Basta contemplar a beleza. Nem precisava de música. Nem de guia. O lugar é estonteante. A água, verde. Os paredões, gigantes.

Cânions do Xingó

A parada para banho acontece em uma espécie de porto no meio do rio, em um local delimitado. Dizem que há trechos com quase 200 metros de profundidade. Há uma área menor, com delimitação no fundo também, para a criançada e os menos aventureiros.

Cânions do Xingó

Essa parte é meio muvucada, já que todo mundo quer se jogar no rio. Há empréstimo de coletes e macarrões coloridos. Eu nem liguei para a bagunça. Catei meu macarrão lilás e dei um tibum no Velho Chico, de águas verdes e mornas. Delícia. Lindo demais.

Desse ponto saía um barquinho para ir bem lá dentro da Gruta do Talhado. Não fui, mas me arrependi.

Na volta, a maioria das agências fica no Karrancas para almoçar. Preço fechado, buffet livre. A nossa agência nos levou para almoçar em Piranhas, em Alagoas. A comida era simples, caseira, mas bem gostosa.

Havia a opção de se passar em um mirante, mas era só se todos do grupo quisessem. Estávamos doidos para ir, mas um casal do nosso grupo não quis. Males de excursão. Voltamos, então, para Aracaju.

Nossas dicas: o passeio é maravilhoso, mesmo tendo sido cansativo, pois foi feito como bate-volta. Se essa for a única opção, não deixe de fazer. Porém, se pudéssemos voltar, ficaríamos pelo menos mais um dia em Piranhas, para conhecer a Usina Hidrelétrica, o Museu Arqueológico do Xingó e para fazer a Rota do Cangaço.

tudo-sobre-sergipe

Compartilhe com seus amigos
Receba as novidades do blog no seu e-mail:  
Programando sua viagem?
Utilize nossos parceiros. Você não paga nada a mais por isso, mas a gente ganha uma pequena comissão. Se o blog te ajudou de alguma forma, é uma maneira de nos ajudar a mantê-lo.

Reserve hotéis no Booking: A maioria das acomodações não pede pré-pagamento e permite cancelamento gratuito.
Alugue um carro na Rentcars: Cote em dezenas de locadoras, parcele em até 12 vezes e pague em reais, mesmo para aluguel no exterior.
Compre Seguro Viagem com a Seguros Promo:  Compare preços e planos em mais de 10 seguradoras. Viaje com assistência médica e odontológica, seguro bagagem e atendimento 24h! Usando o código MINEIROS5 você tem 5% de desconto!
Compre ingressos e passeios com uma de nossas afiliadas Tiqets ou ou Ticketbar: Fuja da fila já chegando com seu ingresso na mão!
 

10 comentários em “Cânion do Xingó – navegando pelo Rio São Francisco

  1. Pingback: Bate-volta para Mangue Seco partindo de Aracaju - Mineiros na estrada

  2. Pingback: Uma semana em Aracaju – a orla da praia de Atalaia - Mineiros na estrada

  3. Pingback: A orla da praia de Atalaia, em Aracaju » Mineiros na estrada

  4. Pingback: Bate-volta para Mangue Seco partindo de Aracaju » Mineiros na estrada

  5. Pingback: Passeio pela Foz do Rio São Francisco » Mineiros na Estrada

  6. Pingback: Porto Kattamaram: passeio de barco pelo lago de Itaipu - Mineiros na Estrada

  7. Muito bonita essa região. Estamos indo pra Piranhas no mês que vem e vamos passar por Canindé, pro museu de arqueologia, eu não sou da área, mas tenho muito interesse, sou colaborador informal de um sítio arqueológico, o da Pedra do Ingá, na Paraíba.
    Realmente, eu imagino que deve ter sido cansativo mesmo um bate e volta de 200 e tantos KM até aí. Em certas épocas faz bastante calor, nós somos do litoral e aqui faz calor, agora já em meados de setembro começa a esquentar, mas tem a brisa e no setão é seco. Nós vamos passar 3 dias em Piranhas. Mas vamos pernoitar numa cidade aqui em PE na véspera, justo pra ficar menos pesada a viagem. Até pq daqui de Olinda são 400 e vários KM.
    Estamos nos preparando pra ir a Piranhas no dia 15/09, vamos dar uma passadinha em Canindé, como eu disse, mas é pro museu e devemos passar tb pela prainha onde desapareceu o ator da novela.
    Por isso, é muito bom, nesse momento em que estamos nos preparando, poder ter relatos e imagens da região. Há muitos vlogs e reportagens de TVs e produtoras, mas quando é de um viajante como nós, colegas blogueiros como nós, parece mais autêntico.
    São, de fato, muito belas as imagens, mal posso esperar pra ir a Piranhas.
    Parabéns pelo post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Theme developed by TouchSize - Premium WordPress Themes and Websites

RECEBA AS NOVIDADES NO SEU E-MAIL

Inscreva-se na nossa newsletter! São só dois ou três e-mails por mês e não mandamos spam!
Seu Email
Secure and Spam free...
"Customized Theme" by: AZEVEDO.MEDIA