Página inicial / Barbacena / Caminho Novo da Estrada Real: de Petrópolis a Ouro Preto de carro comum

Caminho Novo da Estrada Real: de Petrópolis a Ouro Preto de carro comum

Caminho Novo da Estrada Real - de Petrópolis a Ouro Preto, com carro comum.

“Estrada Real” é como é chamada a rota usada para escoar a produção de ouro e diamantes de Minas Gerais para os portos do Rio de Janeiro, nos séculos XVII e XVIII. Em 1999, foi criado o Instituto Estrada Real, ligado ao Sistema Fiemg, que organizou e desde então gerencia a Estrada Real como uma rota turística. São mais de 1600 quilômetros, passando pelos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, e divididos em quatro Caminhos:

  • Caminho dos Diamantes, de Diamantina a Ouro Preto,
  • Caminho Velho, de Ouro Preto a Paraty,
  • Caminho Novo, de Ouro Preto ao Rio de Janeiro,
  • Caminho do Sabarabuçu, de Cocais a Glaura (distrito de Ouro Preto).
Mapa Ilustrativo da Estrada Real

Mapa ilustrativo da Estrada Real – Fonte: Instituto Estrada Real

Percorrer a Estrada Real era um desejo antigo, que sempre foi adiado por não termos um veículo 4×4. Boa parte do percurso é feito em estrada de terra e em muitos trechos só tendo um veículo com tração para passar. Outras opções, como percorrer a pé ou de bicicleta, são demais para nós, hehe.

Chegamos a cogitar alugar um carro, mas veículos dessa categoria são bem caros e oneraria demais a viagem. Então pensamos em um jeito de percorrer o que fosse possível, seguindo por caminhos alternativos no que fosse intransitável com o nosso carro comum. Estávamos cientes de que não daria para percorrer realmente toda a Estrada Real, mas não queríamos mais adiar por tempo indeterminado essa viagem.

O primeiro caminho que fizemos foi o Caminho Novo e resolvemos focar nos lugares em que tínhamos interesse em permanecer mais dias: Petrópolis, onde começamos a viagem, e Lavras Novas (distrito de Ouro Preto).

O Caminho Novo da Estrada Real

O Caminho Novo da Estrada Real liga Ouro Preto ao Porto Estrela, no Rio de Janeiro. É o caminho mais recente, aberto como uma rota alternativa ao Caminho Velho para escoar o ouro e tentar fugir de ladrões. São 515 km, sendo 63% de estrada de terra, 32% asfaltados e 5% de trilha.

O Porto Estrela já não existe mais e é possível ver apenas ruínas. Além disso, o trajeto do Porto Estrela até Petrópolis não é seguro, tanto que nem tem ponto de carimbo do passaporte no Rio, sendo que o passaporte* e o certificado são retirados em Petrópolis.

Optamos por começar a viagem em Petrópolis, que é mais distante de nós, e assim fazer o sentido inverso da rota: de Petrópolis a Ouro Preto.

Partindo de Petrópolis, os trechos são:

  • De Petrópolis a Secretário
  • De Secretário a Paraíba do Sul
  • De Paraíba do Sul a Monte Serrat
  • De Monte Serrat a Matias Barbosa
  • De Matias Barbosa a Juiz de Fora
  • De Juiz de Fora a Ewbank da Câmara
  • De Ewbank da Câmara a Santos Dumont
  • De Santos Dumont a Antônio Carlos
  • De Antônio Carlos a Barbacena
  • De Barbacena a Ressaquinha
  • De Ressaquinha a Carandaí
  • De Carandaí a Queluzito
  • De Queluzito a Conselheiro Lafaiete
  • De Conselheiro Lafaiete a Ouro Branco
  • De Ouro Branco a Itatiaia
  • De Itatiaia a Lavras Novas
  • De Lavras Novas a Ouro Preto

Todos os trajetos estão muito bem explicados no site oficial do Instituto Estrada Real, com mapas e planilhas. É só conferir. O que vamos explicar aqui é como fizemos com as rotas alternativas e como dividimos nossa viagem.

* O passaporte

Se você desejar, pode pedir o Passaporte da Estrada Real gratuitamente e ir carimbando na medida em que passar pelas cidades. Uma bela recordação! Todas as orientações podem lidas com detalhes no site do Instituto Estrada Real.

Nosso roteiro pelo Caminho Novo da Estrada Real

O Instituto Estrada Real sugere seis dias para percorrer o Caminho Novo de carro. Nós fizemos um pouco diferente, porque queríamos explorar mais Petrópolis e Lavras Novas. No total, nós viajamos por nove dias.

Dia 1 – Ida de Belo Horizonte para Petrópolis

Dias 2, 3 e 4 – Passeios por Petrópolis

A ideia inicial era passar um dia em Teresópolis e fazer trilhas leves no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, mas, como choveu todos os dias, ficamos só em Petrópolis, mesmo.

Dia 5 – Trecho de Petrópolis a Juiz de Fora

Dia 6 – Trecho de Juiz de Fora a Lavras Novas

Inicialmente, cogitamos pernoitar em Barbacena no dia 6. Contudo, isso nos faria perder um dia de Lavras Novas, então optamos por passar mais tempo na estrada, mesmo sabendo que seria mais cansativo, para ficarmos mais em LN.

Dias 7 e 8 – Passeios por Lavras Novas

Dia 9 – Giro por Ouro Preto e retorno para Belo Horizonte.

Como percorremos o Caminho Novo da Estrada Real em carro comum

Trecho Petrópolis – Juiz de Fora

Pegamos o passaporte em Petrópolis e aproveitamos primeiro a Cidade Imperial, por três dias. Em breve, teremos novos posts contando o que fizemos por lá.

De Petrópolis a Ouro Preto - Caminho Novo da Estrada Real - Petrópolis, primeiro ponto de carimbo.

1º carimbo, em Petrópolis. O pictograma é o Museu Imperial

Saímos de Petrópolis e passamos pelo bairro de Mosela, até pegarmos a BR 040. Um pouco depois do Castelo de Itaipava, viramos à esquerda, na Cervejaria Itaipava, sentido Secretário, que é um bairro do distrito de Pedro do Rio. Trafegamos pela BR 492 e RJ 123. O trecho é bem sinalizado e pegamos uns poucos quilômetros de estrada de terra, que estavam de razoáveis para ruins.

Paramos em Inconfidência (também chamado de Sebollas), distrito de Paraíba do Sul, para visitarmos o Museu Sacro-Histórico de Tiradentes, que é ponto de carimbo do passaporte da Estrada Real. Foi fácil chegar lá, pois, além de a localização do Google Maps estar correta, há muitas placas indicativas.

O Museu é bem pequenino e tem entrada gratuita. Ali estão expostos objetos que teriam pertencido a Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, bem como ossos que são atribuídos a ele. É que ali em Sebollas ficou exposto um de seus braços, após seu esquartejamento, e depois o membro teria sido enterrado na igreja ao lado. Também há objetos sacros e de época. Fotografias não são permitidas.

Museu Sacro Histórico de Tiradentes, em Paraíba do Sul (RJ).

Museu Sacro Histórico de Tiradentes, em Paraíba do Sul (RJ).

Bem próxima ao museu está a Paróquia de Sant’Anna de Inconfidência, concluída em 1771. A história dessa capela pode ser lida no site oficial.

Paróquia Sant'Anna, no distrito de Inconfidência, Paraíba do Sul (RJ).

Paróquia Sant’Anna, no distrito de Inconfidência, Paraíba do Sul (RJ).

Seguimos para o centro de Paraíba do Sul,  para conhecermos a Estação Ferroviária, que hoje é um centro de artesãos. Passamos ao lado da ponte onde foi cobrado o primeiro pedágio do Brasil.

Antiga casa abandonada em Paraíba do Sul

Antiga casa abandonada em Paraíba do Sul

Marco da Estrada Real em Paraíba do Sul

Marco da Estrada Real em Paraíba do Sul

Em alguns trechos, a Estrada Real corta cidades.

Em alguns trechos, a Estrada Real corta cidades.

2º carimbo, em Paraíba do Sul.

2º carimbo, em Paraíba do Sul. O pictograma é a Maria Fumaça, que hoje está desativada.

Seguimos para o município de Comendador Levy Gasparian, mas pela BR 040 e Estrada União Indústria. No bairro de Monte Serrat, passamos em frente ao Museu Rodoviário, único do gênero no Brasil, mas, infelizmente, fechado por tempo indeterminado. Vimos também a Estação de Paraibuna e o Casarão do Registro, que era usado pela Coroa Portuguesa para fiscalizar os carregamentos vindos de Minas Gerais para o Rio de Janeiro.  

Museu Rodoviário , em Comendador Levy Gasparian

Museu Rodoviário

Estação Paraibuna, em Comendador Levy Gasparian

Estação Paraibuna

Com mais 22 quilômetros, passamos por Simão Pereira e chegamos à primeira parada em terras mineiras, o município de Matias Barbosa. Optamos por parar no restaurante Cabana Matiense, que é ponto de carimbo, e aproveitamos para comer por lá. Havia almoço (buffet) e também lanches mais simples, do pão com manteiga a porções. Os preços estavam bons e a comida, também. Banheiros limpinhos e funcionários educados. Gostamos bastante. Tentamos visitar a Capela Nossa Senhora do Rosário, mas ela estava fechada e só foi possível ver seu exterior.

3º carimbo, em Matias Barbosa. Pictograma: Capela Nossa Senhora do Rosário.

3º carimbo, em Matias Barbosa. O pictograma é a Capela Nossa Senhora do Rosário.

Estrada Real corta a cidade de Matias Barbosa. A capela da foto anterior fica no alto de uma escada, em frente a este marco.

Estrada Real corta a cidade de Matias Barbosa. A capela da foto anterior fica no alto de uma escada, em frente a este marco.

Mais 20 quilômetros e chegamos os destino final do dia, Juiz de Fora, indo direto para o hotel Victory Suítes, ponto de carimbo e onde pernoitamos.

Trecho Juiz de Fora-Lavras Novas

Como mencionamos acima, primeiramente cogitamos dividir este trecho, parando para pernoite em Barbacena. Porém, como nosso maior interesse era passar mais tempo em Lavras Novas, resolvemos ficar mais tempo na estrada nesse dia, para podermos ficar mais um dia inteiro lá em LN.

Pela manhã, após tomarmos café no Victory Suítes, fomos até o Morro do Imperador, ou Morro do Cristo, para vermos Juiz de Fora do alto. O lugar tem fácil acesso (coloque no Google Maps “Mirante do Morro do Cristo”) e proporciona uma vista linda. Pretendíamos ir também ao Museu Mariano Procópio, mas como nos dias anteriores havia sido encontrado um macaco morto, ele estava fechado para investigação de febre amarela. O Museu Mariano Procópio é o pictograma do carimbo de Juiz de Fora.

Morro do Cristo, ou Morro do Imperador, em Juiz de Fora.

Morro do Cristo, ou Morro do Imperador, em Juiz de Fora.

Morro do Cristo, ou Morro do Imperador, em Juiz de Fora.

Morro do Cristo, ou Morro do Imperador, em Juiz de Fora.

Pegamos a BR 040 em direção a Santos Dumont, e optamos por retirarmos Ewbank da Câmara da rota. Em Santos Dumont, fomos direto para o Centro, na Praça Cesário Alvim, onde está a Paróquia São Miguel das Almas e uma estátua do Pai da Aviação.  Quase em frente à praça está uma réplica, em tamanho menor, da Torre Eiffel, e, do outro lado da rua, está a Banca do Zezé, que é ponto de carimbo.

Paróquia São Miguel das Almas, em Santos Dumont.

Paróquia São Miguel das Almas

Estátua de Santos Dumont, no centro da cidade.

Nós e Santos Dumont, na praça da cidade

Banca do Zezé, ponto de carimbo do passaporte da Estrada Real, em Santos Dumont.

Banca do Zezé, ponto de carimbo

Almoçamos no Umami, a poucos metros dali, um restaurante self-service. A comida estava deliciosa e custava R$ 58,90 o quilo (em janeiro de 2018).

Restaurante Umami, self-service, em Santos Dumont.

Almoçamos neste restaurante self-service

Pegamos a BR 499 em direção à Fazenda Cabangu, para visitarmos o Museu Casa Natal de Santos Dumont (ou Museu Cabangu). A estrada é boa, com esse trecho todo asfaltado e bem sinalizado. O museu, que é gerenciado pela Aeronáutica, funciona na casa onde nasceu o aviador. É pequeno, mas interessante, contando um pouco sobre a vida do Pai da Aviação. Pagamos R$ 2,00 para entrar (janeiro de 2018).

5º carimbo, em Santos Dumont. O pictograma é o Museu Cabangu, casa onde nasceu o Pai da Aviação

5º carimbo, em Santos Dumont. O pictograma é o Museu Cabangu, casa onde nasceu o Pai da Aviação

Para seguir viagem dali, tem duas opções: seguindo pela Estrada Real ou voltando em direção ao centro de Santos Dumont. Como deu para ver que o trecho da Estrada Real era uma subida puxada, de estrada de terra, e estava chovendo, resolvemos voltar pela BR 499.  Dessa forma, Antônio Carlos também ficou fora da nossa rota.

Pegamos novamente a BR 040 e depois a BR 265 em direção à nossa próxima parada, Barbacena. Fomos direto para o Museu da Loucura, onde pegamos o carimbo e fizemos a visita. O museu retrata o período em que a cidade de Barbacena recebia pacientes psiquiátricos e os tratava sem qualquer dignidade, de maneira cruel, até.

6º carimbo, em Barbacena. O pictograma é o Museu da Loucura.

6º carimbo, em Barbacena. O pictograma é o Museu da Loucura.

De Barbacena, fomos direto para Conselheiro Lafaiete, pela BR 040, deixando de fora Ressaquinha, Carandaí e Queluzito, por opção nossa.

Em Lafaiete, pegamos o carimbo no Minas Platinum Hotel, bem na entrada da cidade. Fomos conhecer a Igreja Nossa Senhora da Conceição e depois a Basílica do Sagrado Coração de Jesus.

Igreja Nossa Senhora da Conceição, em Conselheiro Lafaiete.

Igreja Nossa Senhora da Conceição

7º carimbo, em Conselheiro Lafaiete. O pictograma é a Basílica do Sagrado Coração de Jesus.

7º carimbo, em Conselheiro Lafaiete. O pictograma é a Basílica do Sagrado Coração de Jesus.

Seguimos pela MG 129 em direção a Ouro Branco, onde pegamos nosso carimbo no Hotel Verdes Mares e tentamos conhecer a Matriz de Santo Antônio, que estava fechada.

8º carimbo, em Ouro Branco. O pictograma é a Igreja Matriz de Santo Antônio.

8º carimbo, em Ouro Branco. O pictograma é a Igreja Matriz de Santo Antônio.

Continuamos, então, pela MG 129 até o distrito de Itatiaia e pegamos o carimbo no Restaurante Villa Itatiaia. Itatiaia é distrito de Ouro Branco e tem uma curiosidade: os moradores se uniram para restaurar a igreja local, também dedicada a Santo Antônio. Infelizmente, estava fechada quando lá passamos.

9º carimbo, em Itatiaia. O pictograma é a Igreja de Santo Antônio.

9º carimbo, em Itatiaia. O pictograma é a Igreja de Santo Antônio.

Igreja de Santo Antônio, em Itaitaia.

Igreja de Santo Antônio, em Itaitaia.

De Itatiaia fomos para Lavras Novas, chegando lá por volta das 18h, mas como ainda era horário de verão, ainda pegamos o pôr do sol na Pousada Vista Alegre.

10º carimbo do Caminho Novo da Estrada Real, em Lavras Novas.

10º carimbo, em Lavras Novas.

Nos dois dias seguintes, ficamos em Lavras Novas, fizemos um passeio de 4×4 e descansamos bastante.

No 9º dia, fomos para Ouro Preto e só demos uma voltinha por lá, almoçamos no Restaurante Tiradentes (R$ 15,00, comida à vontade), pegamos o carimbo no Centro Cultural SESI e retornamos para Belo Horizonte.

Importante dizer que nós só passamos por Ouro Preto porque conhecemos bem a cidade. Se não é o seu caso, vale a pena dedicar pelo menos um dia inteiro na cidade.

11º carimbo, em Ouro Preto. O pictograma é o Museu da Inconfidência.

11º carimbo, em Ouro Preto. O pictograma é o Museu da Inconfidência.

O que achou do nosso roteiro? Já fez algum trecho da Estrada Real de carro comum? Conta pra gente nos comentários.

Gostou: Salve no Pinterest e consulte sempre que quiser:

Percorremos o Caminho Novo da Estrada Real (ou o que foi possível) de petrópolis a Ouro Preto, de carro comum e contamos como foi.

Compartilhe com seus amigos!

Receba as novidades do blog no seu e-mail:  
Programando sua viagem?
Utilize nossos parceiros. Você não paga nada a mais por isso, mas a gente ganha uma pequena comissão. Se o blog te ajudou de alguma forma, é uma maneira de nos ajudar a mantê-lo.

Reserve hotéis no Booking: A maioria das acomodações não pede pré-pagamento e permite cancelamento gratuito.
Alugue um carro na Rentcars: Cote em dezenas de locadoras, parcele em até 12 vezes e pague em reais, mesmo para aluguel no exterior.
Compre Seguro Viagem com a Seguros Promo:  Compare preços e planos em mais de 10 seguradoras. Viaje com assistência médica e odontológica, seguro bagagem e atendimento 24h! Usando o código MINEIROS5 você tem 5% de desconto!
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Theme developed by TouchSize - Premium WordPress Themes and Websites
shares

RECEBA AS NOVIDADES NO SEU E-MAIL

Inscreva-se na nossa newsletter! São só dois ou três e-mails por mês e não mandamos spam!
Seu Email
Secure and Spam free...
"Customized Theme" by: AZEVEDO.MEDIA