Página inicial / Barbacena / O triste Museu da Loucura, em Barbacena

O triste Museu da Loucura, em Barbacena

Museu da Loucura Barbacena

A cada sala, engolíamos seco e segurávamos as lágrimas. Ver fotos, ler relatos e ouvir áudios de pacientes nos transportava, de alguma forma, à realidade dos pacientes psiquiátricos de Barbacena. Por muitos anos, o Hospital Colônia de Barbacena foi “referência” nacional em “tratamento” de pessoas com doenças psiquiátricas, tanto que Barbacena teve a alcunha de “cidade dos loucos”.

O Hospital começou a funcionar em 1903, com o nome de Azylo Central de Barbacena. Em 1911, transformou-se em Hospital Colônia de Barbacena. A partir daí, milhares de pessoas eram encaminhadas para, teoricamente, serem tratadas naquele hospital.

Museu da Loucura Barbacena

Aqui funcionava o Hospital Colônia de Barbacena

Trens chamados de “trens de loucos” chegavam cheios de pessoas para serem internadas, muitas abandonas pelas famílias. Com capacidade para 200 pessoas, já chegou a receber 5000!

Museu da Loucura Barbacena

O uniforme dos internos, que ficou conhecido como “azulão”

Superlotação, condições desumanas, doenças. Fácil entender porque cerca de 700 pacientes morriam por ano. Logo, outro fato começou a ficar comum: corpos começaram a desaparecer “sem explicação” – iniciou-se um comércio ilegal para faculdades de medicina.

Em face do remanejamento da pauta antecipo a audiência de instrução para às 10:30 horas do mesmo dia 18/07/2018, devendo as partes comparecerem para depor, sob pena de confissão.

Registro das vendas de corpos e objetos dos internos

Quanto mais entrávamos no museu, mais mergulhávamos nessa história tão triste. Os pacientes eram trancados em celas, algemados, tinham que comer com as mãos e muitos ficavam nus. Em 1930, um diretor sugeriu o chamado “leito único”: camas foram retiradas e todos dormiam no chão ou em esteiras de capim. Dizem que o modelo de leito único deu tão certo que o próprio governo o recomendou, em 1959, para outros hospitais mineiros.

Museu da Loucura Barbacena

Foto de um interno se alimentando com as mãos

As condições a que eram submetidos os pacientes eram a mais degradantes possíveis. Banhos gelados, eletrochoque, lobotomia. Não havia dignidade. Não havia cuidado. Não havia esperança. O hospital chegou a ser comparado a um campo de concentração nazista por um psiquiatra italiano que o visitou.

Museu da Loucura Barbacena

Algumas fotos dos internos

Tornou-se um verdadeiro de depósito de gente. Pessoas rejeitadas, excluídas, indesejadas. Pessoas que eram torturadas. Vimos as algemas, o aparelho de eletrochoque, o picador de gelo usado para se chegar até o cérebro na lobotomia, cirurgia irreversível que desconecta algumas áreas do cérebro. Ouvimos áudios de pacientes gravados pela imprensa, quando as denúncias começaram a surgir. Gritos, cantos e também relatos aparentemente bem lúcidos de pessoas contando como foram parar ali, já que com o tempo qualquer ser indesejado, como alcoólatras, mendigos, homossexuais, meninas solteiras que não eram mais virgens e esposas traídas (para que os homens ficassem com as amantes) eram mandados para lá. Estima-se de 60 mil pessoas tenham morrido e quase 2000 corpos tenham sido vendidos.

Museu da Loucura Barbacena

Aparelhos de eletrochoque

Museu da Loucura Barbacena

Picador de gelo e outros instrumentos usados na lobotomia

Em 1958, começaram as primeiras denúncias. Em uma sala dedicada a este fim, podemos ver as notícias do jornal da época, como a famosa matéria “Nos porões da loucura”. Foi feito também um documentário chamado Em Nome da Razão (assista aqui).

Em face do remanejamento da pauta antecipo a audiência de instrução para às 10:30 horas do mesmo dia 18/07/2018, devendo as partes comparecerem para depor, sob pena de confissão.

Denúncias começaram a aparecer na imprensa em 1958

Essas denúncias demoraram quase duas décadas para começar a  surtir efeito. Somente em 1980, o hospital foi fechado. Profissionais da área da saúde mental e direitos humanos começaram a se manifestar. Em 1987 foi instituído o dia 18 de maio como Dia da Luta Antimanicomial.

Museu da Loucura Barbacena

Como as coisas demoram, foram 10 anos de discussão para somente após 10 anos, em 2001, ser assinada a Lei 10216, conhecida como Lei Antimanicomial.

O Museu das Loucura é daqueles espaços, assim como museus dedicados à inquisição, ao holocausto, à escravidão e à ditadura, que são necessários para nos fazer refletir e lutar para que atrocidades como as foram cometidas não se repitam jamais. Foi difícil montar esse museu, pois temiam que fosse ruim para a imagem da cidade e achavam que era uma história que devia ser esquecida. Conhecer a história, porém, é importante para não deixar acontecer novamente.

Museu da Loucura

Av. 14 de Agosto, s/n – Floresta – Barbacena
Te.:  (32) 3339-1611
Entrada gratuita
Horário de funcionamento: de terça a domingo das 9h às 11h45 e das 13h às 17h.
O museu funciona em uma área hospitalar. É preciso se identificar na guarita. É proibido tirar fotos de pacientes.

Salve no Pinterest e leia sempre que quiser:

Como é a visita ao Museu da Loucura, na cidade mineira de Barbacena, O museu funciona onde era o manicômio da cidade, famoso pela crueldade com que tratava seus pacientes.

Compartilhe com seus amigos
Receba as novidades do blog no seu e-mail:  
Programando sua viagem?
Utilize nossos parceiros. Você não paga nada a mais por isso, mas a gente ganha uma pequena comissão. Se o blog te ajudou de alguma forma, é uma maneira de nos ajudar a mantê-lo.

Reserve hotéis no Booking: A maioria das acomodações não pede pré-pagamento e permite cancelamento gratuito.
Alugue um carro na Rentcars: Cote em dezenas de locadoras, parcele em até 12 vezes e pague em reais, mesmo para aluguel no exterior.
Compre Seguro Viagem com a Seguros Promo:  Compare preços e planos em mais de 10 seguradoras. Viaje com assistência médica e odontológica, seguro bagagem e atendimento 24h! Usando o código MINEIROS5 você tem 5% de desconto!
Compre ingressos e passeios com uma de nossas afiliadas Tiqets ou ou Ticketbar: Fuja da fila já chegando com seu ingresso na mão!
 

6 comentários em “O triste Museu da Loucura, em Barbacena

  1. Parabéns pelo post. Infelizmente esses museus de loucura humana são necessários. Impossível não nos colocarmos no lugar de outros seres humanos. Nessa época de falta de empatia, relatos como o seu são essenciais. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Theme developed by TouchSize - Premium WordPress Themes and Websites

RECEBA AS NOVIDADES NO SEU E-MAIL

Inscreva-se na nossa newsletter! São só dois ou três e-mails por mês e não mandamos spam!
Seu Email
Secure and Spam free...
"Customized Theme" by: AZEVEDO.MEDIA